Presidente da Emater-MG fala sobre desafios e propostas para a extensão rural e agricultura familiar



Universalizar o serviço de assistência técnica e extensão rural no Estado de Minas Gerais. Esse é um dos principais desafios do setor apontado pelo novo presidente da Emater-MG, Glenio Martins. Ele afirma, ainda, que é preciso que o foco da empresa seja o agricultor familiar, o cidadão, e não só as cadeias produtivas. Glenio Martins diz que dessa forma a Emater-MG poderá contribuir mais para a qualidade de vida das famílias de agricultores.

 Para ele, levar assistência técnica para todos que precisam do serviço não é tarefa fácil, mas necessária. Segundo ele, essa é uma proposta do Governo de Minas Gerais. “Nós temos povos tradicionais, comunidades rurais e assentamentos da reforma agrária desassistidos. É preciso mudar isso”, diz.

Para alcançar esse objetivo, o presidente acredita que o diálogo e a parceria com outras entidades e com o governo federal são fundamentais. “Nós queremos sensibilizar o governo federal para que haja mais recursos e condições que permitam a Emater-MG ampliar a sua atuação”.

 Glenio Martins ressaltou ainda que é preciso universalizar a assistência técnica e extensão rural sem perder qualidade. Para isso, o presidente diz que dará continuidade aos programas já desenvolvidos pela empresa em parceria com a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, como o Certifica Minas Café, Minas Pecuária e o Projeto de Irrigação do Jaíba. “Esse trabalho em parceria com a Secretaria de Agricultura é importante para o desenvolvimento da agricultura familiar”.

Outro ponto considerado essencial é o estímulo à inovação tecnológica para levar mais conhecimento aos agricultores. “Nós também buscaremos trazer os recursos necessários para o melhor funcionamento da empresa, resultando na boa execução de suas atividades”, afirma Martins.

 O presidente da Emater-MG também destaca que é preciso ampliar a inserção das famílias de agricultores em políticas públicas dirigidas à educação, lazer, cultura, segurança pública e redução da pobreza rural.

 “Assistência técnica e extensão rural não podem estar focadas apenas nas atividades de mercado. É preciso olhar todas as condições para a melhoria da qualidade de vida no campo. A Emater-MG estará buscando o diálogo constante com outras entidades para promover o desenvolvimento do meio rural. Isso será possível pela grande experiência e qualidade do serviço prestado pela empresa, que foi e é essencial para o desenvolvimento do setor no Brasil”, disse.


Fonte: Emater-MG

Nenhum comentário: